EquipCompacto01 - FotoMBoe

Outubro/2019
“Fotografar é viver dos acertos e erros!”
Nove anos no ar!
Iniciado em: 01/10/2010
Novo visual e facilidade de acesso!!!
Ir para o conteúdo

EquipCompacto01

Macrofotografia
Em ordem de publicação
Macro 06Macro 05Macro04Macro 03Macro 02Macro 01
Parte VI
Em estúdio
Macro com superzoom
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Mar./2017
• Nessa matéria usamos uma câmera superzoom, a Nikon L810, uma câmera compacta, mas com zoom potente, porém não o usamos para as capturas exemplo. Esse equipamento permite macro de até 2 cm de distância entre a câmera e o modelo.
• As três fotos abaixo foram capturadas na mão, porque a luz era adequada, mas o ideal é usar um mini tripé ou dependendo da altura em que está o modelo um tripé comum. O resultado não tem a mesma qualidade de uma foto feita com uma câmera reflex com lentes cambiáveis, mas podem ser bastantes interessantes.
• O mais importante não é fazer as suas capturas no modo auto, pois nem sempre o resultado é satisfatório. Essa câmera possui um bom modo macro, representado por uma pequena flor. Como a maioria das câmeras compactas não há como ajustar a abertura do diafragma, velocidade de obturação etc. Você pode usar o ISO mais elevado para compensar a falta de iluminação, contudo, o mais interessante é usar uma fonte de luz artificial que não seja o do flash da câmera. Um farolete de Led, com um difusor à frente da lente (papel vegetal, manteiga, duplas...) são bons difusores. Esse deve ser fixado com fita adesiva, evitar o uso de cola.
• Como não tem em sua maioria a possibilidade do ajuste da abertura do diafragma a profundidade de campo geralmente é baixa, ou seja, o próprio equipamento abre bem o diafragma para compensar a falta de luz, quando você opta pelo ISO mais baixo, por exemplo, ISO 100. O uso do ISO mais elevado, dá condições para a câmera fechar mais o diafragma, vai depender da leitura do equipamento, em consequência a profundidade de campo será maior, ou seja, o fundo será mais nítido.
• Nessa primeira imagem foi usado um rebatedor branco, papel sulfite sobre papelão (colado) e a luz natural.
• Para esta segunda usou-se um pequeno refletor com lâmpadas de Led, com um difusor afrente da sua lente e luz natural. Não se fez uso de rebatedor.
• Essa imagenzinha de São José segurando o Menino Jesus tem aproximadamente dez centímetros de altura. Para melhorar a iluminação usou-se um rebatedor branco, o mesmo acima citado e luz natural.
No campo
• Nessa última imagem apenas luz natural. O ISO foi baixo, mais precisamente ISO 100. A profundidade de campo foi determinada pela câmera.
• O foco é fundamental, em se tratando de animal, inseto, ave de pequeno porte que permita a aproximação para a captura no modo macro, deve ser no(s) olho(s). No entanto outros elementos devem ter foco na parte que você quer chamar a atenção de quem for visualizar suas imagens.
• As três primeira fotografias foram feitas em casa, com iluminação dupla, artificial e natural que adentrava à janela. Já esta acima, da teia de aranha, no campo, onde foi possível fazer a captura sem o uso de iluminação artificial ou rebatedor.
• Não se esquecer ao fazer a composição de observar o elemento principal e também o fundo, uma luz ou sombra inadequada, por exemplo, pode estragar a sua captura. Bom trabalho.
Parte V
• A macrofotografia também poderá ter resultados diferenciados trabalhando com camada, como fizemos nas imagens abaixo, desta maneira possibilitam-se novas formas leituras e área de interesse.
• A imagem original, à esquerda e acima, foi capturada com a câmera Canon A640, de resolução 10 MP. A distância focal foi de 5 cm aproximadamente e depois recortada. Outra possibilidade para a obtenção de imagens diferenciadas.
• O trabalho com camada foi feito apagando-se a imagem do inseto, portanto esta área ficou transparente, depois usou-se o efeito cromático sobre ela, quando foi colada como camada sobre a original. Usou-se o Paint.Net para esta montagem. Caso o Paint.Net esteja instalado em inglês é a opção “layers”.
• Não recorte uma área muito pequena, essa ação irá impedir ampliações e a impressão ficará pequena, porém, para a internet poderá ser útil se não for ampliada.
• É um trabalho que exige paciência, por essa razão, é também uma ótima atividade para relaxar. Em alguns momentos até uma brincadeira.
• É ideal para criar cartões comemorativos impressos em papel, para a internet, para uma apresentação de slides, slides show ou até um videofoto. Dois programas para videoanimação que produzem ótimos resultados é o pago Ashampoo Slideshow Studio HD 3 e o grátis PhotoFilmStrip.
• Dominar as técnicas pós-produção também é parte de um(a) bom(a) fotógrafo(a), é preciso ousar.
• É possível até ganhar uma graninha nos finais de semana.
Parte IV
• Na macrofotografia a nitidez é um dos fatores mais importantes, mesmo quando se faz as capturas com equipamento compacto.
• Como já destacamos as câmeras digitais compactas simples não são ideais para este tipo de foto, mesmo porque o modo macro não é o ideal. Esses equipamentos tem distância focal mínima, mesmo no modo macro, muito longa, geralmente entre 30 e 50 cm.
• No nosso exemplo usamos a câmera OLYMPUS F4000, com resolução de 12 MP, portanto permite boas ampliações.
• O enquadramento não será adequado quando não há nitidez, o contrário também é válido.
• A nitidez depende de vários fatores relacionados ao equipamento, como, tipo de objetiva, lente, ajuste do foco etc.
• Equipamentos mais sofisticados permitem uma maior aproximação, porém, como já destacamos acima, em distâncias focais menores, é importante o uso de um tripé. Tem equipamento que é possível fazer macro de até 2 cm.
• O nosso modelo é uma pedra-pomes, fotografado com equipamento na mão, mas em muitas situações é recomendado o uso de um tripé ou mini tripé.
• Também é recomendado o uso de pelo menos um rebatedor. Em outras situações, de pouca luz, é recomendado o uso de uma fonte de luz artificial, com difusor.

• CANON •

Parte III
• Neste exemplo acima, o foco ficou entre a borda mais próxima e o centro da imagem, as demais áreas ficou fora de foco.
• É preciso estar atento a esta situação porque uma imagem que poderia ser diferenciada acaba perdendo valor. Procurar focar na área desejada conduz ao resultado acima.
• Você pode observar que a profundidade de campo é muito pequena e o foco está no centro.
• Isso ocorre porque no modo macro as lentes priorizam uma área e esta é a mais próxima quando não estiver no modo manual, nos outros modos é o equipamento que seleciona a área para estar em foco, mas é você que conduz o equipamento a esta decisão.
• A falta de firmeza deixará a imagem capturada tremida, como pode-se ver acima. A necessidade de um tripé ou qualquer outro tipo de suporte para o fotógrafo ou equipamento.
• Existem mini tripés, um equipamento necessário para este tipo de captura fotográfica, principalmente em externas em área com pouca iluminação.
• O foco da imagem acima está nas pétalas centrais, essa condição favorece a valorização do conjunto todo, ou ceja, cria uma área de interesse mesmo com o fundo borrado, ou seja, com pouca profundidade de campo.
• É necessário prender a respiração para obter foco ou usar um apoio, como0 o tripé, uma mesa, uma lata, caixa etc. O apoio poderá ser para o equipamento ou para os braços do fotógrafo.
• Para esta orientação usamos uma câmera compacta, é ela:
1. Canon Powershot A620 – 7MP (3072x2304 P).
• Esta câmera está fora de linha, é uma versão antiga da série PowerShot da Canon, porém os resultados são muito interessantes e de qualidade.
• Esta máquina fotográfica permite macro de 2 cm. Com paciência este modo, o macro, proporcionará capturas de imagens não comuns ao olhar humano.
• Para as fotografias macro a paciência é o segredo mais importante, principalmente em se tratando de animais de pequeno porte e insetos.
• Em nenhuma captura foi usado tripé, em outra oportunidade o faremos para proporcionar comparação.
• Não foi utilizado nenhum acessório ou filtro ou lente close-up. Reforçando, também não foi utilizado tripé.
• Manter o equipamento extável, não respirar no momento do disparo, não emitir nenhum tipo de som quando fotografar insetos.
• Lembrando: seu equipamento possui vários ajustes e esses poderão melhorar a captura e não apenas elevar o ISO quando a luz é escassa.
• Dependendo do seu equipamento compacto é possível ajustar a velocidade de obturação e até a abertura do diafragma.
• Evitar ao máximo ultrapassar a metade do ISO máximo permitido, por exemplo, a câmera permite ajuste até ISO 800, fotografar no máximo com ISO 400.
• Ter em muitas ocasiões o equipamento apoiado sobre uma superfície rígida, como uma caixa de madeira, uma pedra, tripé, mini tripé etc.
• O ajuste do balanço de branco produz resultados surpreendentes, evitar o modo automático. Em muitas ocasiões, usar o balanço de branco, por exemplo, nublado, também poderá trazer resultados interessantes.
• O uso de um difusor na frente do farolete, como sugerido acima é fixado por fita crepe, fita isolante, fita adesiva plástica etc.
• Umedecer uma folha de papel vegetal com óleo e deixá-la secar, criará uma difusão diferenciada.
• O ideal é usar um farolete grande de LED recarregável de grande reserva energética.
• O rebatedor poderá ser uma pedaço de papel cartão branco colado à uma folha de papelão ou madeira compensada. Com outro papelão ou outro pedaços de madeira fazer um suporte para o rebatedor.
• Para criar efeitos o rebatedor poderá ser metálico, colorido simples ou metalizado.
• Bom trabalho!
Parte II

• CANON •


• NIKON •


• PENTAX •


• SONY •

• Apresentamos os resultados obtidos por três câmeras de fabricantes diferentes, são elas:
1. Canon Powershot A620 – 7MP (3072x2304 P)
2. Nikon Coolpix L810 – 16MP (4608x3456 P)
3. Pentax Optio E10 - 6MP (2816x2112 P)
4. Sony DSC-800 – 20MP (5152x3864 P)
 
• Não é nossa intensão, no momento, fazer comparação, pois neste primeiro o objetivo é favorecer a nossos visitantes a própria análise.
• Em nenhuma das fotografias foi usado um sistema de iluminação artificial, a iluminação é natural que adentrou a janela no momento da captura.
• Todos as fotografia estão no modo macro, para os quatro equipamentos.
• Não foi utilizado nenhum acessório ou filtro ou lente close-up. Também não foi utilizado tripé.
• O equilíbrio é parte de uma boa composição, para as fotos macro a atenção deve ser redobrada, bem como o controle de luz.
• Tenha em mente que seu equipamento possui vários ajustes e esses poderão melhorar a captura e não apenas elevar o ISO quando a luz é escassa.
• Dependendo do seu equipamento compacto é possível ajustar a velocidade de obturação e até a abertura do diafragma.
• Evitar ao máximo ultrapassar a metade do ISO máximo permitido, por exemplo, a câmera permite ajuste até ISO 800, fotografar no máximo com ISO 400.
• Ter em muitas ocasiões o equipamento apoiado sobre uma superfície rígida, como uma caixa de madeira, uma pedra, tripé, mini tripé etc.
• O ajuste do balanço de branco produz resultados surpreendentes, evitar o modo automático. Em muitas ocasiões, usar o balanço de branco, por exemplo, nublado, também poderá trazer resultados interessantes.
• O uso de um rebatedor melhorará a distribuição da luz e a qualidade imagem. Nos nossos exemplos não fizemos uso do rebatedor, mas é altamente recomendável.
• A profundidade de campo é bem pequena nas fotos macro, condição que valorizam a imagem do modelo fotografado.
• Alguns equipamentos compactos permitem o uso de lentes close-up, mas não é recomendável fazer uso do modo macro com as lentes e quando o fizer será necessário o uso de um tripé.
• Um farolete (lanterna) de LED coberto com um pedaço de papel vegetal ou manteiga, este tem a função de um difusor, poderá ser utilizado para melhorar a iluminação.
• Pode-se usar um ou mais faroletes, sempre com um difusor, com luz direta ou rebatida.
Parte I

• CANON •


FUJIFILM •


• SONY •

• Apresentamos os resultados obtidos por três câmeras de fabricantes diferentes, são elas:
1. Canon Powershot A620 – 7MP (3072x2304 P)
2. FujiFilm Finepix L55 – 12MP (4000x3000 P)
3. Sony DSC-800 – 20MP (5152x3864 P)
 
• Não é nossa intensão, no momento, fazer comparação, pois neste primeiro o objetivo é favorecer a nossos visitantes a própria análise.
• Em nenhuma das fotografias foi usado um sistema de iluminação artificial, a iluminação é natural que adentrou a janela no momento da captura.
• A primeira foto foi feita sem o ajuste para o modo macro, para os três equipamentos, já a segunda ajustou-se para o modo macro.
• Não foi utilizado nenhum acessório ou filtro ou lente close-up. Não foi utilizado tripé.
• Pode-se fazer pequenos recortes, mas não recomendamos recortar pequenos elementos, pois a imagem final não terá boa qualidade.
• É preciso segurar a câmera com firmeza, prender a respiração e garantir o foco respeitando-se a distância focal.
• Em muitas situações é importante usar um tripé, mini tripé ou outro tipo de apoio.
• O ideal é optar por um ISO bem baixo, entre 80 e 100, uma velocidade de obturação alta, acima de 1/500 s.
• A elevação do ISO poderá gerar ruídos e fotografar em velocidade de obturação baixa poderá provocar tremida e falta de nitidez.
• O uso de rebatedor branco, um ou dois faroletes de led com um difusor afrente (papel manteiga ou vegetal) auxiliam de maneira improvisada na iluminação do modelo.
• Uma boa opção para boas fotografia macro são os equipamentos que possuam lentes de qualidade, um bom sensor e opções de ajustes manuais.
• Câmeras com lentes de vidro e não de cristal não são adequadas para esse fim pela sua falta de qualidade.
• O mais importante, reforçando, é ser cuidadoso, ter paciência, ser atento, saber observar, não ser agitado, não ter medo de insetos ou pequenos animais etc.

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS:

• Todos os direitos reservados! É proibido imprimir, copiar, distribuir (mesmo a título de gratuidade), encartar, reproduzir (por qualquer meio mecânico, eletrônico, digital, fotográficos, filme, e vídeo), sem a devida autorização fornecida por escrito pelo proprietário do Site FotoMBoé.com. Todas as imagens (desenhos, pinturas, ilustrações, fotografias, vídeos etc.), textos, slides show, galerias, apresentações (em Flash, exe, html etc.) foram produzidas por Vivaldo Armelin Júnior que é o detentor dos direitos autorais.
• É permitida a abertura exclusiva online, qualquer outra possibilidade é necessário autorização por excrito, como acima descrito. Contato por e-mail.

São Paulo - SP, Brasil
Voltar para o conteúdo