Flash01 - FotoMBoe

Outubro/2019
“Fotografar é viver dos acertos e erros!”
Nove anos no ar!
Iniciado em: 01/10/2010
Novo visual e facilidade de acesso!!!
Ir para o conteúdo

Flash01

Exemplo Prático > Flash

Com flash direto

FOTO
Com flash

FOTO
Sem flash

• O flash integrado ou fixo das câmeras compactas não permitem desviá-lo para rebater em um teto, o mesmo acontece com o fixo das câmeras reflex. Ambas as imagens foram capturadas com a Canon PowerShot A640.

1. A primeira imagem, com a captura feita com o auxílio do flash, ocorreu a explosão de luz em razão da proximidade da câmera e o modelo.
• A explosão de luz desequilibra toda a imagem e destrói a principal área de interesse.
• O equipamento estava ajustado desta maneira: abertura do diafragma F2.8, velocidade de obturação 1/60 s, ISO 80 e o flash acionado.
• Para solucionar esse problema basta cobrir o flash com um pedaço de papel vegetal ou ceda, fixando-o com fita adesiva, mas esta não poderá sobrepor a área do flash.
• Essa técnica melhora a distribuição da luz, reduz sua intensidade e sua dispersão.

2. Já a segunda imagem foi obtida sem o uso do flash, condição que melhorou o resultado final. O foco foi dado nas pétalas criando um percurso visual circular.
• Sem o flash ganham força o contraste, a gama cromática, as formas, a textura, a profundidade de campo e a nitidez.
• O ajuste foi o seguinte: abertura do diafragma F2.8, velocidade de obturação 1/30 s, ISO 100 e o flash desligado.
• Nos ambientes internos o ISO pode ser ajustado para mais alto, mas não se esqueça de não utilizá-lo acima da metade do ISO total oferecido pelo equipamento caso desejar manter uma qualidade razoável e sem ruído.

 Flash, com e sem difusor – II
Por: Vivaldo Armelin júnior – Fev./16
• Neste exemplo prático mostramos o uso do flash direto, com uso de um difusor improvisado com papel vegetal e um com papel sulfite que rebate a luz para o teto.
• Para que seja possível fazer uma comparação mais adequada a primeira imagem abaixo e à esquerda foi capturada sem flash.
• O mais importante é fazer testes, pois a potência do flash varia de fabricante para fabricante e mesmo entre seus modelos próprios.
• Existem difusores para alguns modelos de equipamentos comprados em lojas especializadas, mas a maioria não é destinado aos equipamentos compactos.
• Além do papel vegetal, pode-se usar papel manteiga, papel sulfite de 70 g/m². Já para o segundo modelo de difusor é importante usar papel sulfite de 90 g/m². Nesse caso a altura do difusor deve ser pelo menos de 5 mm acima do flash.
• Difusor simples e fixado com fita adesiva ou crepe.
• Difusor simples direcional colado com três pedaços de fita adesiva ou crepe.
 
• As cinco imagens acima, da esquerda para à direita e de cima para baixo: 1. Sem flash, 2. Com flash direto (sem difusor), 3. Com difusor de papel vegetal (uma folha), 4. Com papel vegetal (folha dupla) e 5. Com difusor direcional (papel sulfite 90g).
• Como já foi destacado acima é importante fazer testes, pois a potência dos flashes variam muito, pois depende do fabricante. Por essa razão, muitas vezes é necessário colocar mais de duas folhas de papel vegetal ou manteiga sobrepostas para obter uma difusão adequada.
• Nunca usar cola, mesmo a chamada cola branca lavável. As fitas adesivas e a crepe são boas por não deixar resíduo.
• Acabado o uso, retirar o difusor para que a cola da fita não seque.
• O difusor pode ser utilizado em áreas com sobras fortes e dia ensolarado, em festas, ambientes muito iluminados por luz artificial de teto, foto macro, entre outras situações.
• Cada uma das imagens tem um resultado, mas o segundo tipo de difusor melhora com maior eficiência o ambiente, caso seja esta a intenção. Nas imagens com difusor o corredor ficou um tanto escuro.
• Para valorizar o(s) modelo, no nosso exemplo, seria necessário mudar de posição para eliminar o fundo (corredor).
• Uma boa imagem depende da composição/enquadramento, ajustes e até, se necessário do difusor e um rebatedor, não usado neste exemplo.
• Boas experiências e resultados!
Flash – I
Por: Vivaldo Armelin Júnior
• Usamos a câmera digital Canon Powershot A640 para as capturas, sem o flash, com ajuste via software e com o flash. Veja as diferenças. O ajuste foi feito no software Ashampoo Photo Commander, licenciado.
• A imagem da esquerda e acima foi capturada sem flash, condição que faz com que o equipamento se confunda com a área menos iluminada e a bem iluminada ao fundo. A segunda, à direita e acima, foi ajustada no Ashampoo Photo Commander, que melhorou a imagem, mas não resolveu o problema. Por fim a terceira imagem, acima e ao centro, foi usado o flash. A luz, pela proximidade produziu brilho e estouro de luz.
• Para resolver o problema basta colocar um difusor a frente do flash, que pode ser um modelo comercial ou improvisado com folha de papel vegetal ou manteiga.
• Outra solução é usar um tripé e reduzir a velocidade de obturação, caso seu equipamento possua esse ajuste.
• Ou ainda, ajustar o modo, como para o “Noturno”, este melhorará a iluminação do elemento fotografado e produzirá estouro no fundo. Testar outros modos também é interessante.
• Boas experiências!
São Paulo - SP, Brasil
Voltar para o conteúdo